segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Uma vida sem amor

Uma vida sem amor


É como se fosse

Duas gotas de água

Separadas

Papel de carta

Em branco

Onde se lê

Um pranto

Árvores desfolhadas

Sementes sem alma

Uma vida sem amor

É como um sorriso retido

Somente imaginado

Numa manhã qualquer

Sem alguém ao seu lado

Uma vida sem amor

É rua de pedras pontiagudas

Canção não musicada

Abraço perdido

Beijo não beijado

Uma lua despedaçada

È querer correr

Não podendo alcançar

A miragem almejada

Uma vida sem amor

É uma noite fria

Sem lareira

Sem um vinho morno

Sem um olhar no outro

É quase um nada

Tudo que não é

É gritar junto a serra

E não ouvir o sim

Que tanto se quer



Uma vida sem amor

É o vazio de ser

È quando almas

Correm desesperadas

E na estrada sonhada

Tentam se encontrar

E para sempre se perder...

RUSSO,T.C.F.

4 comentários:

  1. como é bom ser poeta, aiai!! lindos versos!

    ResponderExcluir
  2. Vc inteira nesse poema! ou meia duzia? ou ilusão completa?


    Delicia de texto!
    Bjo

    ResponderExcluir
  3. Se amor fosse algo exato, exata seria a descrição da ausência dele neste poema. Eu ainda ouso dizer que é isso mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Theresa. Feliz ano novo, desde este outro lado.
    Um abrazo

    ResponderExcluir