terça-feira, 22 de junho de 2010

Vazio azul

Há um azul dentro de mim
De um vazio da espera
Vazio transbordante
Das certezas incertas
Coisas que eu fiz
Erradas
Nenhuma certeza ainda
Tempo
Tempo
Tempo
Traidor da minha consciência
Inconsciente estado do viver
Quando eu soube
Já era manhã
Depois daquela noite comum...

RUSSO,T.C.F.

10 comentários:

  1. Em mim há vários vazios,
    várias esperas.

    ResponderExcluir
  2. O seu vazio é azul? Do meu vazio não sei a cor. Será mal isto?
    The, desejo que esteja bem. Saudade.

    ResponderExcluir
  3. Bravo, Thereza!
    Só o título "Vazio azul" já é, por si só, um belíssimo poema!
    Encantaram-me os seus versos!
    Grande abraço, todo entremeado de gratidão pela amável visita que me fizeste...

    ResponderExcluir
  4. O que dizer Theresa? O azul é intenso e quem espera sempre alcança? Isso seria clichê e desnecessário. Só posso te dizer que adoro te ler.

    ResponderExcluir
  5. Que posso dizer Theresa? Que o azul é sempre profundo e misterioso; quem espera sempre alcança? Isso seria clichê, mas digo que sempre adoro a intensidade do que eu leio em você.

    ResponderExcluir
  6. Quando eu soube
    Já era manhã

    É sempre assim com todos nós...

    ResponderExcluir
  7. Um tempo que eu não passava por aqui, está muito bonito o seu blog The, adorei o template.
    Quanto ao poema...
    Me senti mergulhada nesse vazio azul, a sensação é facilmente degustada nos versos...
    Acho que o tempo é traidor das consciências por essa propriedade de nos guardar a espera de um retorno para próximo, mas um próximo que não sabemos onde está no horizonte dos dias que passam.
    O amanhecer pode nos trazer certo conforto, enquanto única certeza que temos.


    Beijos :)

    ResponderExcluir
  8. Muito emocionada com a visita de meus amigos poetas....

    ResponderExcluir
  9. Não sei a cor do meu vazio que só sinto
    nesse lindo poema
    bjus

    ResponderExcluir
  10. Como queria ter a alma limpa para poder ser sincera com vc e comentar de vc para vc...sem Ofender...mas assim é o tempo ( junção de traições e tradições)

    ResponderExcluir